Casa / Gestão de Risco / O Mega Perigo de Mega Projetos

O Mega Perigo de Mega Projetos

Como o Paradoxo de Cobb afirma:  “Nós sabemos por que os projetos falham; sabemos como evitar essa falha – então, por que eles continuam falhando?” Patrick Weaver aborda o enigma aparentemente desvendável da razão pela qual a maioria dos mega-projetos em todo o mundo continuam falhando.

Segundo Weaver, as suposições otimistas de alguns gestores e tomadores de decisão de alto nível, contradizem os fatos conhecidos. Relatórios e pesquisas ainda mostram que, apesar da melhoria da tecnologia, a maioria dos projectos tem tendência para demorar mais e ser mais caro. Como é possível isso?

Weaver cita que realmente existem vantagens em estar conscientemente enganado sobre os prazos e os custos do projeto. Por exemplo, a Casa de Ópera de Sydney na Austrália foi o produto de uma fraude deliberada por seus proponentes e sua construção durou 14 anos e foi extremamente cara. A única desvantagem deste comportamento anti-ético foi que a Carrera do arquiteto Jørn Utzon foi arruinada.

Isso nos leva à segunda e principal razão grandes projetos tendem a falhar. Como Weaver diz “esperança não é uma estratégia”. No entanto,  para explicar a razão pela qual 70% dos mega-projectos continuam falhando apesar de grandes esforços para mudra isso, ele volta a afirmar que a má administração, impulsionada pela ignorância e auto-ilusão, é a causa principal causa de grandes projeto.

Leia o artigo completo (em inglês) aqui: http://projectmanager.com.au/why-are-so-many-projects-set-up-to-fail/

Sobre Eric Anderson

Eric Anderson is a staff writer for CAI's Accelerating IT Success. He is an intern at Computer Aid Inc., pursuing his master's degree in communications at Penn State University.

veja também

Fatos Concretos Sobre o Porquê da Gestão de Risco Funcionar

Norman Marks escreveu um post discutindo dois relatórios sobre gestão de risco. O primeiro é o Relatório de Aon, que mostra uma correlação entre a maturidade da gestão de risco por uma organização e o des

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *